De primeira viagem

O conto “Juventude”, de Joseph Conrad, que encerra a antologia De primeira viagem, organizada por Heloisa Prieto, mostra bem o que as histórias reunidas no livro têm em comum: são todas narrativas de experiências inaugurais. No conto, um marinheiro que aos vinte anos sobreviveu a um naufrágio relembra a aventura vivida em alto mar como uma passagem de sofrimento, mas também de felicidade intensa – sentimentos que podem ser tomados como metáfora desse período especial da vida.

A juventude é o tema que desafia sete autores brasileiros a contar histórias marcadas por momentos de iniciação: a descoberta do amor sensual, o medo da noite urbana, o universo febril do rock, o relacionamento conflituoso entre pai e filho – tristezas e alegrias próprias da juventude alternam-se nos textos do livro.

Contos de Milton Hatoum, Ana Miranda, Moacyr Scliar, Fernando Bonassi, Heloisa Prieto, Paulo Bloise e Tony Bellotto apresentam vivências próprias àqueles que estão às voltas com mistérios, medos, sonhos e amores dos vinte anos, tempo da existência em que o desejo mais urgente é lançar-se à vida como um navegante que empreende a primeira travessia.

Textos de dois autores consagrados completam o livro: duas iluminuras de Arthur Rimbaud e o conto “Juventude”, de Joseph Conrad. Na narrativa de Conrad, o marinheiro Marlow recorda sua primeira grande aventura na marinha mercante. Nessa travessia, a alma do rapaz funde-se ao mar e toda a sua existência futura adquire uma direção – metáfora que traduz a presença oceânica das experiências da juventude na vida humana.